Por que o nariz do cachorro é gelado?




Faz um frio danado, o cobertor não dá conta e você corre para cama do seu irmão querendo se aquecer. Chega na ponta do pé, cavando espaço, até que a ponta do seu nariz encosta bem nas costas do pobre desavisado que vai dividir espaço com você. Ele se assusta, dá um pulo da cama e diz: – Que nariz gelado! Parece um cachorro! Sua estratégia deu errado. Você volta encolhido para a sua cama e a pergunta não sai da sua cabeça: por que o nariz do cachorro está sempre gelado?

O focinho gelado do cão, segundo os especialistas, é sinal de saúde. E o que mantém o focinho do cachorro sempre frio e molhado é o fato de que esses animais regulam a sua temperatura corporal, ou seja, o grau ou perda de calor do corpo, por meio da respiração. Repare que os cães estão sempre respirando com a boca aberta e a língua para fora, muitas vezes, pingando saliva. Isso também colabora com a perda de calor.

Mas voltemos ao nariz do cachorro: se ele estiver quente, é bom ter cuidado. O animal pode estar com febre, um alerta do corpo para alguma doença. A febre pode, por exemplo, sinalizar uma gripe ou uma infecção causada por microorganismos, como as bactérias. Isso deixa o nariz de seu fiel amigo seco e com a temperatura alta. Aja depressa, levando-o ao veterinário.

Esteja atento ao nariz do seu cachorro porque é o olfato o sentido mais importante para ele. Por meio do seu faro apurado, o cão consegue identificar pessoas, perceber cheiros que estão bem distantes e até mapear os lugares e, assim, não se perder de casa. Tudo isso acontece porque dentro do nariz dele existem os receptores protéicos – células sensíveis aos odores, localizadas na mucosa nasal, que ao receberem os cheiros são responsáveis por identificá-los. Essas células também estão presentes em outros animais, como em nós, seres humanos, mas existem em maior quantidade no nariz do cachorro.

Como curiosidade, lembre-se de que alguns cães são usados para o benefício da sociedade. Os farejadores, por exemplo, são treinados e ajudam policiais a identificar drogas – substâncias proibidas e prejudiciais a saúde – em lugares difíceis de serem encontradas, como malas e armários fechados. O trabalho de cães como esses depende totalmente de um bom nariz... gelado!


Luiz Carlos de Sá Rocha
Faculdade de Medicina Veterinária,
Universidade de São Paulo.
http://cienciahoje.uol.com.br/controlPanel/materia/view/4140